Controle Coercitivo: A Punição Negativa e a Extinção

Para a compreensão do comportamento não só humano, mas de todos os organismos, o Behaviorismo Radical trabalha com o conceito de Contingências. Isso significa que, a partir de um estímulo ambiental, o organismo emite uma resposta e ela gera uma consequência. Acontece que nem sempre essa consequência é reforçadora, podendo então ser punitiva. (Compreenda melhor sobre Punição Positiva)

Obrigatoriamente a consequência punitiva irá diminuir a frequência do comportamento, exatamente o oposto da contingência reforçadora (seja ela positiva ou negativa).

A Punição Negativa tem como principal conceito a retirada de um estímulo reforçador ao organismo. Mas atenção: não se trata da quebra da contingência reforçadora do comportamento em questão, mas sim da retirada de um estímulo reforçador fora dessa contingência (de outros comportamentos), e o reforço do comportamento inadequado continua a ocorrer. Quando há quebra da contingência específica, trata-se de extinção.

Observe a figura abaixo.

20160207072732

(Princípios Básicos de Análise do Comportamento, página 74)

Para exemplificar, imagine um adolescente que joga diariamente videogame. Seu rendimento escolar não está adequado, com várias notas vermelhas (comportamento indesejado) e sua mãe resolve puni-lo. Ao abordar o filho, informa que, enquanto suas notas não melhorarem, o videogame estará proibido de ser utilizado.

No exemplo acima, a mãe puniu negativamente o filho. Não por ser bom ou ruim, mas sim por retirar um estímulo reforçador do ambiente do organismo. Atente-se ao fato de que o videogame não tem relação com a contingência das notas escolares (e o estímulo reforçador continua ocorrendo, podendo ser, por exemplo, a atenção dos amigos enquanto conversa no momento da explicação), mas sim é paralelo e tem grande valor reforçador para o filho. Observe:

S = Estímulo
R = Resposta
R+ = Reforço Positivo
P- = Punição Negativa

Comportamento a ser punido negativamente
S
(aula) – R (conversar) – R+ (atenção dos amigos)
Produto do Comportamento = Nota baixa

Comportamento eleito para produzir a punição
S
(casa, horas vagas) – R (jogar) – P- (videogame retirado)

A diferença é que, punindo negativamente, a mãe elegeu qualquer comportamento do repertório do filho que estivesse mantido por reforço positivo e retirou esse reforçador. Caso ela quisesse realizar Extinção, a atenção dos amigos frente ao comportamento de conversar do filho teria de ser retirada.

Com isso, a mãe espera que diminuindo a frequência do comportamento de jogar do filho (ou melhor, anulando esse comportamento por retirar o videogame), o comportamento de conversar durante a aula e consequentemente tirar notas baixas também diminua.

Mas, se a punição tem como objetivo diminuir a frequência de determinado comportamento, essa seria a solução para os comportamentos indesejados, certo? Para a Psicologia Comportamental, não!

Perceba que a Punição pode gerar efeitos colaterais, assim como qualquer Controle Aversivo, ou até mesmo gerar outros comportamentos indesejados. No exemplo, o filho poderia passar a colar nas provas só para conseguir as notas azuis e, com isso, obter o videogame novamente. Além disso, colando, as conversas durante a aula poderiam continuar normalmente e o único comportamento que, temporariamente, teve sua frequência diminuída, foi o de jogar. Assim que a punição negativa deixa de ser aplicada, ou seja, o reforço positivo é novamente apresentado (videogame), o comportamento voltará a ocorrer.

Então, qual a solução? Reforçar positivamente os comportamentos adequados. O organismo só consegue se comportar de uma maneira em determinado período, sendo assim, se aumentarmos o repertório de comportamentos adequados, obviamente há diminuição dos inadequados. O reforçamento positivo é um Controle Não-coercitivo e é livre de efeitos colaterais.

Você tem alguma dúvida? Deixe um comentário e nós lhe esclareceremos! Compartilhe também esse texto em suas redes sociais, basta clicar nos botões abaixo! =D

Escrito por: Caio Moura

Referência Bibliográfica: MOREIRA & MEDEIROS. Princípios Básicos de Análise do Comportamento. Porto Alegre, RS: Artmed, 2007. 224p.

 

“Pode me chamar de Ana”

O redator deste portal, Caio Moura, acaba de lançar o seu primeiro livro autoral, um Romance de Ficção Dramática que conta com a sinopse a seguir:

“Canteiros, uma cidade brasileira e pacata, é aconchego para quem chega à UNICAN (Universidade de Canteiros) e, com seu clima frio e impessoal, desperta nos jovens sonhadores a necessidade de calor humano. Ana, caloura, resolve permitir que seu coração seja aquecido por Rafael, veterano do último ano de Engenharia, bem-sucedido sob os frutos da empresa do pai.

Contra tudo e todos, Ana e Rafael vivem um jovem romance que tenta sobreviver à humilhação, indignação, ciúme, conflitos, indiferença, compulsão e inconsequência, por meio da ousadia que cava sua própria cova.

O que você pensaria de si mesmo se, porventura, se encantasse por uma pessoa que abusa sexualmente de uma criança!? Talvez, de imediato, você responda que isto é completamente improvável, mas esta leitura lhe provará que nada é impossível e que você não sabe, de fato, o que acontece na casa ao lado.”

Como comprar?

Livro Impresso:

Clique Aqui

E-book Kindle:

Clique Aqui

* O livro impresso é produzido e entregue pela Amazon dos Estados Unidos, mas o produto é entregue no Brasil. Atenção ao valor cobrado em dólar. O E-book Kindle pode ser comprado na Amazon do Brasil e não necessita de aquisição do Kindle, podendo ser lido em seu dispositivo de preferência após baixar o aplicativo Kindle.

Readers Comments (7)

  1. Olá!
    Considerando um indivíduo infrator que então é mantido preso para cumprir pena, a “prisão” neste caso seria punição positiva ou negativa?

    Fico com dúvidas quanto à essa questão, pois não sei se “a liberdade do sujeito é retirada” e então seria punição negativa. Ou se o “encarceramento é adicionado”, e então seria punição positiva.

    Desde já agradeço!

    • portalcomportamental 19 de setembro de 2016 @ 21:19

      Boa noite Larissa, tudo bem? Então, em Análise do Comportamento, costumamos nos perguntar sempre “em relação à…”. Nesse sentido, sua dúvida não só é pertinente, como também é a resposta. Quando perguntamos em relação à vida que lhe é retirada (sua liberdade, direito de ir e vir, encontros em família, trabalho, estudo, lazer…), consideramos ser uma punição negativa (já que retira reforçadores de outras contingências). Em relação ao encarceramento, é uma punição positiva, pois apresenta algumas questões que antes não existiam, como por exemplo, a submissão aos agentes da lei, à hierarquia dos outros prisioneiros, cardápio diferenciado ao habitual, regras a serem seguidas, outras punições, etc…
      Sendo assim, quando lhe questionarem algo ou essas dúvidas surgirem na sua cabeça, foque na questão: em relação a quê está sendo perguntado? As chances de errar diminuem.
      Espero ter ajudado! Seguimos à disposição. Ass: Caio Moura.

  2. Tenho uma amiga que pune o namorado quando ele trai ela com outras mulheres. Ele para um tempo e depois volta a trair. Ela está reforçando negativamente?

    • portalcomportamental 25 de Janeiro de 2017 @ 14:33

      Boa tarde!
      Para responder de uma melhor forma, seria necessário analisar a situação de um modo mais amplo e com mais detalhes, mas, basicamente, há reforço POSITIVO acontecendo em alguma contingência, pois o reforço negativo mantém cptos de fuga e esquiva, o que não parece ser o caso.

      Ass.: Caio Moura.

  3. Olá !

    Duas pessoas se conhecem virtualmente por quase 2 anos. Até que uma delas (mulher) vai morar na cidade dele (homem). Assim que chega na cidade , ele faz um churrasco, convida os amigos e a ela. Ela vai , com toda intimidade que sempre tiveram virtualmente (pois eles trocavam muitas intimidades e desejos sexuais). Chegando lá, ela se sente a vontade pra beber, e extrapola na bebida , sem ao menos se dá conta, pois a alegria está ali com ele a deixa muito feliz.
    Nesse mesmo dia , ambos apenas se beijam . No final de semana seguinte , ele a convida pra ir a boate. Então, eles juntos saem , mas ele leva uma amiga dele. Ela começa a beber e inventa de experimentar uma bebida que nunca havia bebido antes. Resultado disso : ela sobe no palco, beija outros rapazes (tudo isso , sem ter noção de si mesmo e do estava acontecendo) . Ele pede pra ela pegar leve ( ela tenta entender, mas não age dessa forma) . No dia seguinte , ele pergunta pra ela se ela se lembra de tudo da noite anterior ( conversa pelo Whatsapp) ela envergonhada diz que não. Então , ele relato todo o acontecido e toma a decisão de ” absolutamente é invevitalmente fora de cogitação termos algo relacionado a sexo “. Sendo que esses dois anos , ambos sempre se falavam todos dias. Mas ele nunca assumiu que queria algo sério com ela. Logo , ela se sentiu a vontade pra beijar outros , já que ele estava com essa amiga que ele também ficava.
    Isso seria um tipo de punição da parte dele ?
    Que tipo de comportamento ele avaliou dela ?

    • portalcomportamental 18 de julho de 2017 @ 03:24

      Olá!
      Olha, são muitos comportamentos a serem analisados e a pergunta final não ficou muito clara, mas sob minha perspectiva ele usou de comportamento de esquiva quanto ao possível relacionamento com ela, pois ele EVITA a situação sem que ela esteja acontecendo, para NÃO TER CONTATO com algo aversivo (possíveis traições, por exemplo). Claro que ela pode receber esta atitude como punição, mas não podemos dizer com toda certeza que ele a esteja punindo intencionalmente. Acredito que neste exemplo ele esteja agindo mais para sua própria proteção do que para feri-la.
      Espero ter ajudado! =D
      Ass.: Caio Moura.

      • Obrigada Caio !

        Mas ele nunca deixou claro a ela que queria algo sério, apenas sexual. Seria uma espécie de “amizade colorida”, pois o mesmo tem outra pessoa. Ele até deseja manter a amizade com ela, mas sem ter nada sexual.

        Que comportamento ela poderia ter pra reverter essa situação?

Trackbacks & Pingbacks (1)

  1. Controle de Estímulos: O Papel do Contexto

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: